Atenção: se você sofreu recentemente uma perda amorosa e ainda está na fossa, por favor, não leia essa crítica e nem veja o filme. Caso você esteja na TPM ou emocionalmente instável, esse filme também não é indicado para você. Contra-indicações dadas, Matinê Garotas Geeks dessa semana é sobre o “Noivo Neurótico, Noiva Nervosa pra geração iPod”: 500 Dias com Ela “500 Days of Summer” de Marc Webb, EUA, 2009.


Desculpem pela falta de trailer com legenda, aqui tem um.

“Este filme é uma ficção, qualquer semelhança com pessoas vivas ou mortas é mera coincidência. Especialmente para você, Jenny Beckman, sua vaca”. Assim começa “500 Dias com Ela” e é dessa forma que o filme se desenrola, com muita sinceridade. O gênero comédia romântica é conhecido nos EUA como “chick flick” [feito para garotas] ou “boy meets girl” [garoto conhece garota] dizendo, de forma pejorativa, o enredo desse tipo de filme. Se for dessa forma, não podemos colocar 500 Dias com Ela no mesmo grupo. Mas já deixando bem claro, logo de início, essa não é uma história de amor (E a Jenny de fato existiu na vida do roteirista Scott, mas não achei nenhuma foto para comprovar).

Tom Hansen (Joseph Gordon-Levitt, “Inception”, 2010 e “10 Coisas que eu Odeio em Você”, 1999) é um arquiteto frustrado que trabalha em uma empresa que cria cartões para presentes. Ele acreditava que nunca conseguiria ser completamente feliz até o dia que se apaixonou. Summer Finn (Zooey Deschanel, “O Guia do Mochileiro das Galáxias”, 2005 e “Sim, Senhor”, 2008) acredita que o amor é super estimado por todos e não passa de uma fantasia. Ela acha interessante como é a vida: como coisas podem te acontecer sem que você sinta nada, assim como cortar o cabelo. Ela pode ter namorado e não sentido nada em especial por essa pessoa. Mas quatro dias depois de conhecê-la, ele descobre no elevador da empresa que ela é fã de The Smiths. A partir desse dia, ele sente como se a vida valesse a pena, ele a deseja na sua vida, é o destino.

Mas não pensem que ela é a vilã, uma vaca como a Jenny. Desde o início ela deixa bem claro para Tom que ela não quer nada sério com ele, que não busca um relacionamento naquele momento. Mas o jovem apaixonado acredita que pode mudar isso, que um dia ela vai deixar cair a parede que ela colocou entre os dois. Summer chega até ser rude de tanta sinceridade como quando ela diz “Apenas acordei um dia e descobri o que eu nunca tive certeza com você”. Vemos todo o relacionamento deles pela perspectiva de Tom, algo que faz com que muitos críticos comparem o filme ao clássico “Noivo Neurótico Noiva Nervosa” [Annie Hall] de Woody Allen por mostrar o fim de um relacionamento e suas consequências pelo ponto de vista do homem.

A trilha sonora é quase um personagem à parte do filme, talvez por conta do diretor do filme, Mark Webb ser um conhecido diretor de clipes (como Regina Spektor e Green Day), talvez por fazer com que as músicas sejam importantes no filme, elas não acontecem apenas em off. A maior parte das cenas possui o marrom como cor padrão, para demonstrar o “tédio” e “palidez” da vida de Tom. Apenas quando Summer está em cena vemos a cor azul, para combinar com os olhos dela e também para sentirmos uma falta de cor quando ela não está por perto. Os personagens secundários formam a base cômica do filme, mas devo ressaltar novamente o trabalho de Chloe Moretz, que interpreta Rachel, a irmã mais nova de Tom que é mais madura emocionalmente que ele.

Mas não é apenas com Woody Allen que o filme presta homenagem (a cena do “Expectativas vs Realidade”) há muitas referências à cultura pop em geral. A cena musical do filme, que expressa toda a alegria que Tom sente é uma miscelânea de estilos, misturando até animação. Summer e Tom adoram cinema, e é com esse truque que vemos grandes influências e inspirações dos roteiristas e diretor como Nouvelle Vague e O Sétimo Selo de Bergman. E claro, como esse é um post pro Garotas Geeks, ressalto essa cena que faz uma MEGA referência à cultura nerd quando Tom está se sentindo muito feliz e gato:

“Relacionamentos são complicados e os sentimentos das pessoas são magoados”, acredita Summer. “Você não acredita no amor? Não estou falando do Papai Noel.” responde Tom. 500 Dias com Ela é um filme que não fala do amor verdadeiro hollywoodiano que estamos acostumados a ver. O cinema, as músicas pops fazem com que a gente acredite que um dia encontraremos a pessoa certa. E talvez um dia a encontremos, mas enquanto isso, em nossas vidas às vezes seremos como o Tom e sofreremos, entraremos na fossa mas aprenderemos um pouco como nos relacionar com outras pessoas. E às vezes seremos como a Summer, que acharemos uma pessoa que seja maravilhosa que goste das mesmas bizarrices que você mas simplesmente não seja A pessoa ideal. Mas o importante é sempre tentar, né?

Se você gostou do filme, clica aqui e veja a cena musical que o Mark Webb fez pra Zooey (ela ficou com invejinha do Joseph por ter tido um musical pra ele… ^^)

Quem escreve? Deborah


25 anos, jornalista, não sei o que eu fazia para me divertir antes da internet. Heavy user de midias sociais. Amo/sou gifs do tumblr e o meme do Homem-Aranha.

comentário(s)

  1. Pedro Miguel disse:

    Ótimo post!
    xD
    Na minha opnião este é o melhor filme ever. Por causa dele acabei virando fã dos Smiths.

    Continuem assim.

  2. Fabrício disse:

    Sempre que eu posso eu revejo esse filme. O roteiro é muito bom ao explorar esse lado mais realista dos relacionamentos e ao fugir dos clichês românticos dos filmes americanos. A trilha sonora é excelente. E a Zooey Deschanel é tão linda que nem consigo ficar com raiva dela!!! :D

  3. Robson Lima disse:

    “This is not a love movie. This is a movie about love”.

    E 3 minutos depois da cena inicial, Eu, que não tenho lá muita afeição a romantismos em geral – os acho desnecessários, a não ser em ctx mto específicos os quais não vivo com muita frequência – em qualquer mídia que seja, me desarmei. Antes da Summer aparecer. Antes de tocar a primeira música.

    Não sei o quê extamente… tudo que vc disse Deborah e eu ainda colocaria o fato que são dois sujeitos absolutamente normais – nada de mocinho heróico e moça perfeita aqui, graças a Eru – e toda aquela história de ir e voltar nos 500 dias… enfim, entrou pra seleta lista de filmes que vou comprar o dvd original.

    thumbs up!

  4. Débora disse:

    nota do dia: preciso ver esse filme -.-

  5. GhostAlone disse:

    SÓ PQ EU TO SAINDO DE CASA XDDDDD

    acho q esse é um dos filmes q eu mais gosto, entre todos os filmes q ja assisti, ja ouvi falar, ja pensei em assistir, ja assisti um pedaço, ja vi no cinema, ja… deu pra entender XDDD

    o filme é bom dmais, tem smiths, tem a Zooey q acho muito linda, tem o Levitt gordon q é foda, tem um final…. perfeito

    esse filme é bom demais xD viciei umas 5 pessoas nele xD ja dei de dvd de presente, ja assisti umas 15 vezes e sempre acho alguma coisa nova, tenho a trilha sonora no mp3….deu pra entender xDDDDD

    qnd voltar leio o topico =D xD

    o//

  6. GhostAlone disse:

    ahhhh,

    ps.

    esqueci do mais importante rsrs

    Deborah vc é dmais *-*

  7. Luiz disse:

    O filme é demais *o*

    Eu fui ao cinema sem saber NADA sobre o filme (na verdade eu achava que ia ser só mais um romance blergh, mas…)

    Pena que na época eu fui um dos que teve uma perda amorosa xD
    E sai um pouco mal, mas satisfeito com o filme hauhahauhaua

  8. Mihh disse:

    Putz, esse filme é demais.
    Se não for o melhor, é sem dúvida um dos melhores.

    A história é foda, diferente daqueles clichês romantiquinhos cheios de mimimi e com final inesperado (sim, eu pensei que eles iam ficar juntos no final). E os atores, sem palavras, dois lindinhos, que pqp!, dá até raiva AUHAUHAUHUAHUAUHAH’ /*relevem*/

    Agora deu uma vontade master de assistir de novo *-*

    obs. irrelevante: o Joseph me lembra o Keanu Reeves ._.

  9. Guilherme disse:

    Joseph Gordon-Levitt … Eita! Que diferente que ele tah. Eu lembro dele no 10 Coisas que eu Odeio em Você e ele era bem novinho e tals. Como eu não vi Inception ainda, pra mim ele tava sumido XD
    O filme parece interessante, eu gosto de comédias românticas.

  10. Muka disse:

    Quando saiu esse filme eu lembro que mta gente começou a procurar essa Jenny só que o diretor falou que era só um pseudonimo por direitos legais (eles até tentaram colocar o nome dela verdadeiro mas obviamente ela não quis aí eles falaram “Jenny Beckman… bitch”
    eauheauhae

  11. Daniel Gomes disse:

    Só digo uma coisa, este filme foi uma verdadeira surpresa quando eu pude assistir a 2 anos atrás. Vale a pena e, de certa forma, é uma lição de vida.

  12. Bruna Liana disse:

    eu ameeeeeeeeeeeeeeei essa matinê!
    esse filme é perfeito, e mostra bem o que acontece quando alguém sente que o outro não é a pessoa ideal. eu estava na fossa quando vi o filme, mas nem por isso chorei ou fiquei com raiva da Zoey, ueheuheueheuhe

    isso é bem real e acontece todos os dias. ela foi sincera, e deixou o barco correr.

    e concordo, não devemos parar de tentar. podemos nos machucar, mas quando encontramos A pessoa, a vida passa a ter sentido.

    eu ainda não encontrei, tão pouco desisti.

    :)

  13. Tiago disse:

    Ah Zooey Deschanel..

    Qualquer coisa com ela vale a pena ver.

  14. Pacha Urbano disse:

    Quantas vezes já fomos Tom? Quantas vezes já fomos Summer?
    Este não é um filme mulherzinha, é um filme homenzinho, é uma comédia romântica para caras, não só para garotas. É o “Alta Fidelidade” dos anos 2000. Difícil um filme não ter final feliz com os dois se amando no final e mais difícil ainda um filme mostrar que o amor é incerto, desliza, principalmente o idealizado. Como muitos aqui no comentário já disseram, comigo não foi diferente, eu caí do cavalo chamado “amor” na época em que assisti a este filme e vi nele uma grande lição.
    Gosto muito do Garotas Geek, de toda a equipe, mas seus posts são os que mais curto. =)
    Um abração!

  15. Alexandrexlr disse:

    Lendo esse post me bateu uma saudade desse filme…
    No próximo final de semana vou reve-lo.

    Muito bom filme(assim como o post).

  16. Victor Fontes disse:

    Assisti no cinema e me apaixonei pelo filme, já reassiti algumas vezes, mas depois desse post vou ter que ver mais uma vez.

    Faço coro com o Pacha: “É o ‘Alta Fidelidade’ dos anos 2000″

    Conheço e curto o trabalho do Joseph Gordon-Levitt desde os tempos do excelente seriado “3rd Rock from the Sun”.

    Sem falar na Zooey … ah a Zooey …

  17. Angel Skywalker disse:

    Sinceramente, eu aluguei este filme com altas espectativas, porém, me decepcionei bastante. Acho que a capa do DVD contribuiu muito para minha impressão final do filme: exaltava, falando que era comédia, melhor filme do ano e etc. Só que, só ri com duas ou três cenas. Foi decepcionante chegar na metade do filme e vc pensar que já quer que termine, porque está chato. (Não quero mais ver este filme na minha frente). Assisto filmes justamente para ter um gostinho de quero mais no final, uma história interessante e tal e o principal: não ver o tempo passar. Ele não cumpriu o requisito principal (pelo menos pra mim).

  18. Thiago Scher disse:

    Curti muito o filme, pois mesmo exagerado soube retratar no meu ponto de vista emoções bem verdadeiro. o engraçado é que mesmo com todos os sinais, ele se deixou levar, mas quem não se deixa não é mesmo? Eu ainda não vivi uma experiência tão intensa assim, mas partes dela sim, Belo filme!

  19. Eu vi este filme sem querer um dia, e havia acabado de entrar na foça pós-relacionamento. Quando assisti fiquei muito mal, me indetifiquei e fiquei péssimo, mas vi uma segunda vez e dai entendi a moral da coisa e fiquei muito melhor. Este filme é uma obra, e retrata certas coisas de acontecem com quase todo mundo.
    A resenha está perfeita! =D

  20. Garotas Geeks disse:

    [...] de 2008 e “500 dias com ela” de 2009 – que você pode ver a Matinê desse filme aqui) , uma terráquea que deu um fora em Arthur numa festa para sair com um cara que disse: “Ele [...]

  21. Bruna disse:

    Não entendi o final do filme ! kkk alguém pode me explicar ?

  22. Fábio disse:

    Nice.

    This belief stemmed from early exposure to sad British pop music and a total misreading of the movie, “The Graduate.”

  23. Andreia disse:

    Vou ter que discordar de você e dizer que esse filme é perfeito pra quem acabou de sair de um relacionamento e/ou está na fossa. Justamente por não ser uma história de amor com final feliz mas sim uma história de amor como estamos acostumados a ver na vida real.

  24. Silvio disse:

    Já tive a minha “verão” e já cheguei a pensar nela como “Jenny Beckman”.
    Hoje estou com a “outono” e está maravilhosamente bom.

  25. […] por Allen, Luis Buñuel, o pai do surrealismo em seu filme O Anjo Exterminador. Assim como em “500 Dias com Ela”, a fotografia de “A Rosa…” ilustra o estado de espírito de Cecília. Enquanto ela está […]

  26. […] de 2008 e “500 dias com ela” de 2009 – que você pode ver a Matinê desse filme aqui) , uma terráquea que deu um fora em Arthur numa festa para sair com um cara que disse: “Ele […]

Comente este post