OLHA A POLÊMICAAAA!

Já vou começar dizendo que não fui eu que disse isso, foi a internet e vários jogadores com os quais eu conversei. Até porque, se vocês lêem o blog há algum tempo, sabem que, mesmo que o jogo seja uma bosta, eu vou amar porque é Assassin’s Creed e ponto. Cheguei a comprar um fucking XBox só pra poder comprar na pré-venda e não ter que esperar sair pra PC. Sim, esse tipo de maluca.

No fim, nem precisava, porque demorei séculos pra conseguir jogar e só fechei a algumas horas do fim do mundo. E posso afirmar que o jogo pende tanto para game do ano como decepção do ano. Here’s why!

ac3

Calma, cara.

Assassin’s Creed 3 veio cheio de expectativa. A Ubisoft demorou anos para fazer o jogo, houve o desenvolvimento de uma nova engine para dar mais realismo, a promessa de que seria o fim da história de Desmond (ou seja, provavelmente o último game da franquia) e tudo o mais. E, de fato, o jogo cumpriu: os movimentos dos personagens são mais fluidos, os cenários são mais bonitos, o mecanismo de batalha ficou muito melhor, a batalha naval é bem divertida quando você pega o jeito e, como esperado, a história de Desmond termina no dia 21 de dezembro de 2012.

Aliás, que mindfuck. E como a Ubisoft é boa em fazer isso! Não foi o mesmo baque que Assassin’s Creed 2, mas, ainda assim, que loucura.

Só que há os detalhes que você só pega jogando. Tanto que, quando joguei pela 1a vez, eu achei o jogo FUDIDO. Porque ele É fudido. A jogabilidade é ótima, ele é divertidíssimo, dá pra perder várias horas jogando direto sem perceber. Mas, com 11 horas de jogo, deu pra notar coisas que dão uma bela desanimada.

Primeiro: eu fechei o jogo com onze horas. Onze horas é muito pouco. Onze horas é o tempo que demora pra fazer um peru de Natal. Tá certo que só fiz a missão principal, mas é o que eu normalmente faço, e nenhum outro game da franquia foi tão rápido. Acho que nem Brotherhood, que eu acho que devia ser um DLC e não um outro jogo.

Além disso, eu fechei no 36%. Ou seja, a campanha principal corresponde a cerca de 36% do game inteiro. Existe MUITA coisa a ser descoberta, mas o jogo não te incentiva a fazer isso. Exemplo: no começo, você encontra Benjamin Franklin e ele te fala das páginas perdidas do almanaque. Eu não vi mais ele ao longo do jogo, porque não fui atrás das páginas, já que isso não era necessário pra história principal.

E também rola uns plot holes meio chatos por causa disso, tipo, em uma side mission, ir falar com um personagem depois dele ter morrido. Ou o encontro de Connor com seu pai, que não ficou muito bem explicado como eles sabiam da existência um do outro – mas talvez eu só não estivesse prestando atenção nessa parte.

Isso é TÃO errado, de TANTAS maneiras, I don't even

Isso é TÃO errado, de TANTAS maneiras, I don’t even

 

Não precisa liberar os fortes e regiões das cidades de influência templária, não precisa levar dinheiro pra Fazenda, não precisa ajudar ninguém, nem comprar armas novas. É como se o game tivesse todo esse conteúdo extra, mas não fizesse a menor questão de que você jogue.

O maior problema, que um monte de gente notou e ficou irritadíssimo, é o tanto de bugs e glitches que existem. Logo que o game foi lançado, tinha um que apagava o save. Como assim o jogo demora anos pra ser lançado e tem um bug desse???

Também tem os “cosméticos”, que não afetam a jogabilidade mas são feios: pessoas em pé em cima das banquinhas, o Connor com rosto na árvore igual a vó da Deborah Pocahontas, glitches do Animus que teoricamente indicam algo colecionável que é parte do jogo mas, na prática, são só uma falha…

E também têm os cavalos. Os cavalos. Tem horas que os cavalos que mais atrapalham do que ajudam! Eles “travam”, como se tivesse, sei lá, uma pedrinha que impedisse de seguirem em frente. Isso é muito, muito irritante, especialmente em missões de perseguição.

Outra decepção é a história, e isso é bastante triste. A história é sempre o ponto alto de Assassin’s Creed e a impressão que ficou no AC3 é que ela é muito superficial. Talvez porque não conheçamos a história dos EUA tão profundamente – a gente aprende na escola, mas é bem superficial, né? – mas dá uma sensação de que faltou. Além disso, apesar do Connor dizer o tempo todo que estava contra os Templários, ele passa a maior parte do jogo matando britânicos. Quer dizer.

connor ac3 face

Mas isso dá pra entender o porquê. A primeira informação que saiu do jogo é que Connor lutaria por justiça, e não por vingança.; maior mentira do mundo, já que ele sai nessa jornada toda pra matar o cara que matou sua mãe, Charles Lee – um templário britânico que queria as terras de sua tribo.

wheres charles lee

Aliás, falando do Connor, ele é bem uma união de Ezio e Altair. Tão ranzinza quando o sírio e mimado quanto o italiano, só que sem o carisma dele. Isso mesmo: o Connor é o protagonista mais chato da franquia. E também demora desnecessariamente muito tempo até ele virar Assassino e a porra ficar séria. Só isso já te tira muito a vontade de jogar e, quando você começa… parece que acaba muito rápido. :/

As melhores partes, na minha opinião, são as do presente, com o Desmond. Talvez por eu ter jogado na mesma época que a história se passava ou porque estava ansiosa para saber o que eles buscavam todos esses anos, mas achei todas elas muito boas. Inclusive a que é no Brasil, que só vi problema em ter um estádio de MMA, e não de futebol. Também há a aparição de Daniel Cross, que vocês talvez conheçam da HQ The Fall. As saídas do Animus ficaram muito boas e, ao contrário do Revelations, por exemplo, nada maçantes.

Apesar dos pesares, não dá pra dizer que AC3 seja um jogo ruim. Talvez tenha errado a mão em algumas coisas, mas cumpre muito bem o papel de ser um game foda.

E você, já jogou AC3? O que achou?

Quem escreve? Giovana


Giovana vê referências nerds onde não tem, crê que dor de cabeça é gene X se manifestando e acha que De Volta Para o Futuro > Star Wars. Pretende ser Embaixadora da Terra para Assuntos Externos e ainda quer casar com o Zachary Quinto apesar dele ser gay (afinal, é mandingueira e traz a pessoa amada de volta em 3 dias).

Categorias: Destaques, Games

comentário(s)

  1. Iza Winnah disse:

    Cara, foi bom eu ter vindo aqui ler a materia!Senão nem saberia que tenho que correr atras das “missões” pra zerar em 100%. Vlw mesmo :D

  2. Marcelo Pinto disse:

    Excelente poste!
    Muito bem colocado os pontos eu também havia reparado, me desanimei bastante com o jogo mas sabe como é..
    …temos que zerar, temos que zerar

  3. lucineijr disse:

    joguei o primeiro da serie apenas, depois de 4 ou 5 assassinatos, achei que o jogo fica muito repetitivo, mas tinha uma boa jogabilidade, liberdade e graficos bons, em comparação com o primeiro, isso tbm se repete? para alguem que não jogou o primeiro até o fim, vcs recomendariam este?

    • Adrien disse:

      @lucineijr
      Eu recomendaria o Assassin’s Creed 2. O 3 você pode achar meio cansativo também. Jogue o 2 ou o Brotherhood. A partir que você começa a jogar com o Ezio, você começa a entender mais a história e os assassinatos não ficam repetitivos.

  4. Cini disse:

    Pois é. Senti a mesma coisa referente a questão das side-missions e dos equipamentos. Passei o jogo inteiro sem comprar nenhuma arma, sem comprar flechas, sem cordas e nem fez falta nenhuma. Fiz meia duzia de sides dai joguei ate finalizar a historia principal e nunca mais toquei no jogo. Quanto aos bugs nem se fala, o mais chato é o respawn infinito de guardas.

    Bela matéria =D

  5. Thiago disse:

    O jogo foi realmente decepcionante, na minha opinião, pelos seguintes motivos:

    O personagem não possui carisma algum, até o pai de Connor é mais divertido(e, de longe, a primeira missão do jogo é a melhor).

    A história do jogo deixou muito a desejar, não estou falando da história americana, mas sim da do jogo, não tem profundidade o suficiente para que fiquemos com vontade de continuar, tudo o que eu queria é que as missões acabassem logo(só terminei o jogo pq paguei R$190,00 por ele).

    O credo dos assassinos não é visto com a mesma honra ou emoção que os games anteriores, nem mesmo é feito a cerimônia que Ezio teve ao realmente se tornar um assassino.

    Resumindo, o jogo é só gráfico, tem uns movimentos legais, mas demora muito pra matar os guardas quando se está cercado, coisa que Ezio fazia em segundos, o jogo vale a pena apenas por levar o título de Assassin’s Creed, mas, ao mesmo tempo, envergonha a série.

  6. Diego Xerfan disse:

    Bom, posso falar com certeza que, o melhor é começar o jogo pelo primeiro…pois pra quem teve o prazer de ler todos os livros, verá que, o Altair é foda e sua história é muito interessante. Claro que, a história do Ézio também é excelente e sem dúvida a melhor dos jogos.
    Já o Connor, uma decepção. Esperava mais dele!
    Claro que pra quem é fã da série, como eu…temos que jogar e dizer que é o máximo!!! Espero que o próximo, supere todas as nossas expectativas.

    Abraços à todos!!!!

  7. Wolf disse:

    Eu Fiquei viajando quando vi os creditos…com aquela porcentagem baixa…eu fiquei vendo os creditos pensando q poderia ter mais alguma coisa mas os creditos demoraram tanto q resolvi fechar e procurar na net…Mas gostei do jogo msm assim

  8. Mariana disse:

    O maior problema de ACIII, alem da expectativa, foi ter deixado os detalhes (tipo o porquê do Connor saber de seu pai) para o livro Renegado.

  9. André disse:

    Bom, sei que já tiveram tantos comentários não sei se mais um fara alguma diferença.
    Bom como todo fã de jogos e principalmente de ACIII que para mim é um marco de jogos e dimensão, não que tenha outros jogos capaz de alcançar os méritos porém o jogo é foda, tanto os detalhes quanto a história em si… Fiquei chatiado por falta de algumas melhores aparições como por exemplo Thomas Jefferson e algum aparição da famosa guerra dos sete anos, achei a história boa porém diretas sem fundamentos sem um… PUTS é isso que aconteceu caracaaaaa…. e dormir pensando nisso! porém sem espectativas,realmente as lutas navais foram brilhantes, até na capacidade de dar um upgrade no barco!? Uff Outra coisa que Le e concordo com o Tiago… e o CREDO dos assassinos sumiu?!, isso que era mágico no jogo foi esquecido, apenas vi símbolos maçônicos, que não foram explicados… Bom com tudo, meu Pai do céu, quem falar que esse jogo foi melhor que os dois primeiros da séria… bom nem vou comentar. Se fomos pensar em gráfico, incrível mais de história e jogo… HUnnnnn difícil. Como dizem: você pode jogar o Mario Galaxy, porém o Mario Brows é viciante. E garanto, muitos aqui devem ter jogado novamente o ACII para esquecer o que viu do III ^^

  10. Roberto Vasconcelos (@Be3eto) disse:

    No que concerne ao Brotherhood, de fato, comprei pelo preço de um DLC na Steam. Menos mal. Quando o 3 entrar numa dessas, eu entro na brincadeira também. Até lá… xD

  11. douglas disse:

    mesmo nos outros tbm sendo relativamente facil matar as pessoas no contra ataque oq mais me decepicionou no AC3 é o fato de mesmo que apareça uma orda de 50 pessoas para te matar vc da conta de todos com até uma certa tranquilidade fika meio chato depois de um tempo.
    tbm achei fraco a parte de steal q dava de se fazer nos outros AC. O jogo naum é nem de longe ruim mas a engine de combate e o estilo de jogo foi sutilmente mudada o que me desagradou e muito.

  12. samuel disse:

    gostei do jogo embora não seja obrigatorio faser as secundarias foi divertido faser estou com um problema serio com as notas do benjamin franklin que parece dar receitas para a fasenda mas não da nenhuma invençao como armas naovas com nos anteriores oque me decepcionol muito e o fato da lamina escondida ter virado um simples faca ela não e mais uma lamina realmente escondida ela so tem sua bainha no pulsso ja que sai totalmente e vc usa ela com uma adaga comum.

  13. Edu disse:

    Primeira vez que entro e para começar,parabéns pelo blog:
    Bom,o pessoal já disse tudo com relação ao jogo,mas gostaria de frisar duas coisas citadas que também me decepcionaram muito.
    A questão dos cavalos que travam em qualquer pedra ou córrego,cuja travessia é feita com água pela cintura do Connor,e as (irritantes)páginas que “fogem” de você,e que você precisa ficar pulando de prédio em prédio para pegá-las,para conseguir uma “receita de bolo”,ou “remédio para tosse”…
    Muito chato,acabei fazendo apenas as missões principais também…

  14. Mah disse:

    Comecei a jogar a franquia (sequentemente) no fim do ano passado, quando comprei o xbox.
    Iniciei com o AC2 -> Brotherhood-> Revelations e em paralelo estou jogando o AC 3 e o AC 1.
    Não sou gamer e por isso não levem muito a serio… hehehe
    Não curti o AC3! Achei muito fraco perante os outros AC’s. Além dos bugs, a parte das lutas são muito chatas. As lutas são um ponto fraco na minha opinião e achei o pobre Connor muito lento.
    Váaaarios Bugs. Esse do cavalo eu ainda não vi.. mas tem coisas gráficas medonhas do tipo: “atravessar o cavalo no meio” ou então despencar de um penhasco e ficar caindo infinitamente.
    Estou na sequência 6 e na minha opinião o jogo deixou muito a desejar.

    Muito bom o review e eu adoro o blog! Parabéns

  15. Nádia Lise disse:

    Review muito bom, gostei da opinião. Embora eu seja completamente contra esse jogo. Eu sou amante fanática da franquia…mas o AC3 foi tão decepcionante que deixei de querer saber do resto. Pra mim, o AC4 me parece mais do mesmo…no tocante AC3. O jogo, em si, é foda. E eu realmente achei sua jogabilidade muito boa. Mas, para alguém que fica de olho na história, que era fantástica, acaba desencantando.
    Achei o final do Desmond o lixo dos lixos. Ridícula, simplória e rápida demais. Connor tinha tudo pra ser um personagem muito bom, mas enrolaram tanto com a história dele que ele acabou sendo um ninguém. Ele não era índio, não era assassino, não era templário…talvez até tenha sido isso que quiseram passar, no fim das contas. Mas achei horrível. Tenho até medo de esperar que o quarto jogo arrume a bagunça que fez…

  16. […] fim de Assassin’s Creed 3, Desmond salva o mundo – o que foi, pra mim, um FUCKING HUGE MISTAKE da Ubisoft! Acho que o […]

  17. Rodrigo disse:

    Pode crer gata os bugs são um saco o cavalo não corre nada e enrosca em qualquer lugar, na parte da fronteira e principalmente na fazenda era melhor e mais rápido ir a pé pelo mato do que de cavalo, o que salvou o jogo pra mim foram as missões náuticas que alias devem ter sido muito aproveitadas no black flag mas ainda não joguei esse, e o contato com animais selvagens, uma coisa que senti muita falta foram das guildas de cortesãs ou ciganas, ladrões e mercenários, tudo bem que deixava o jogo fácil demais mas era bem divertido usa-los e fazer as missões de guilda e aprimoramentos, também queria ter usado algumas bombas, as roupas eu não fico comprando mesmo mas senti falta de comprar armas e outros itens pois nunca fui tão pobre em assassin´s como fui nesse titulo. PS.: A roupa de Nova Iorque é bem legal da cor negra só comprei essa…

  18. Italo disse:

    Tecnicamente, o Connor mata Britânicos, pois eles são aliados dos templários.

    • danilo disse:

      Olha so eu entendo vc dizer isso.pois o game tem um dos melhores graficos dessa geração.possuir os combates mais fluidos ate agora da francia..parece coisa de cinema os conbates.nem jogos especializados em lutar tem essa realidade sem falar no parcu.que ta muito realista..as vezes vc deve pensar bem para não ficar falando besteira

  19. Erick disse:

    Pra mim o melhor foi o REVELATION, Concordam ?

  20. Erick disse:

    O melhor de todos é o Revelation

  21. Victor disse:

    Na verdade, Connor sai em busca da liberdade de seu povo. Seu objetivo nunca foi matar Charles Lee, mas sim, proteger seu povo da ameaça templária. (Profundo)
    E isso é comprovado quando William Johnson tenta roubar a terra dos nativos. No começo, Connor não quer matar ele, por isso ele joga todo o chá fora para não gerar mais renda. Mas ele volta mais tarde, e Connor, agora sim precisa mata-lo.
    Engraçado dizer isso, mas Connor é o melhor protagonista da série. Ele não é inteligente como Ezio e habilidoso como Altair, mas Connor, é bom. Como Zangado disse – “Pessoas como Connor, boas e gentis, não existem e se existem, só existem em histórias.”
    Talvez, a gente acostumou com o jeito frio de Ezio porque teve 3 jogos com ele e, aparecer outro personagem, soa estranho, mas não é.
    Em AC 4, Edward é legal, mas não chega aos pés de Connor e Ezio.
    Esse comentário pode parecer Fanboy, mas AC 3 tem a melhor história de todos( A história é inteligente e foca em Connor e nos Templários, que pode ser relacionado facilmente com Batman: O Cavaleiro das Trevas), um bom protagonista e pontos interessantes. Não é o mais divertido, mas é o mais “sério e inteligente” de todos.

  22. Lopo Santos disse:

    Realmente o jogo é uma decepçã, até Vice City demorou mais que essa droga, e também não há mesmo nenhuma motivação para fazer as missões opcionais.

Comente este post